pinterestslideshare2twitter2youtube2google2face2insta2

logormarca2

Bailarinas do mundo e seus estilos
Escrito por Luana Mello   

foto11Por mais que a dança seja algo muito pessoal - onde a meta de todo bailarino é encontrar a si mesmo e seus próprios movimentos - existem os estilos: linguagens que nascem em cima de padrões sócio-culturais ou em cima de cada escola.

Estilo de dança é a sua técnica, a sua escola. Mostram quais referências você utilizou para basear sua dança. Quando começamos a dançar, o estilo dos nossos professores é a nossa base, pois ainda não temos maturidade suficiente para criar nossos próprios conceitos.

Além disso, o padrão sócio cultural também pesa; tanto na formação do estilo de cada escola, quanto na construção do estilo próprio do bailarino. O país onde mora, as referências sociais etc. Como dizia Murray Louis: "A dança de um país é a sua alma.”

Hoje vamos falar de forma simplificada sobre as bailarinas de dança do ventre e seus inúmeros estilos, divididos por países. Obviamente cada país tem muitas escolas, mas existe, indiscutivelmente, um estilo que é a base de tudo e vem do país de origem.

Ao lado direito do Blog (http://www.dancadoventre.art.br/), coloquei uma enquete para saber quais bailarinas são as favoritas. Não deixe de dar seu voto!

Brasileiras

Em minha opinião são as mais sensuais indiscutivelmente. A Brasileira tem uma sensualidade intrínseca, que grita mesmo quando ela quer esconder. É aquela coisa latina que está no sangue mesmo. Além disso, temos em nossa raiz a cultura do improviso. Do que pude ver em bailarinas do mundo todo (em várias modalidades de dança) somos as que menos dão importância para o ato de coreografar.

Também temos um quadril de dar inveja. Herança do samba, bem provável. Afinal, nascemos assistindo as mulatas do carnaval. Nosso quadril é realmente muito bom. Temos uma dança ainda bem tradicional. Claro que em nosso país temos bailarinas, que como eu, procuram fazer coisas mais sofisticadas, porém a dança tradicional ainda é a mais forte por aqui. As roupas tradicionais de duas peças, e preferência por músicas bem regionais, são as características mais fortes.

Soraia Zayed - Nossa representante de maior força no mundo todo.
Dim lights Embed Embed this video on your site

Argentinas

Lembro da primeira vez que fui pra Argentina. Fiquei bege com a qualidade coreográfica daqueles bailarinos. NOOOSSA... O show era perfeito, todos os números coreografados com muita qualidade técnica, cheios de criatividade e com muito domínio de palco. Essas são as principais características das bailarinas argentinas: são impecáveis na postura e têm qualidade cênica ímpar. São bailarinas estilosas e sempre apresentam números grandiosos.

Além disso, a influência do Ballet Clássico é muito grande, o que torna a dança tecnicamente uma das melhores do mundo. Claro que gosto é gosto, e alguém pode não gostar, mas discordar da qualidade é impossível. A influência do Ballet vem regada com a dramaticidade do Tango, que elas assistem desde muito pequenas. Como nós assistimos o Samba. E assim como a dança brasileira, elas têm aquela energia contagiante típica do povo latino. É aquele algo a mais que não deixa você ficar imune enquanto assiste.

Saida - MInha argentina favorita.

Dim lights Embed Embed this video on your site

Egípcias

As bailarinas egípcias são realmente muito boas, têm algo que nós de outras culturas nuuunca teremos: intimidade com a musicalidade árabe. Aquela coisa do 'sentir', do 'viver' uma música. Suas apresentações são sempre muito cheias de vida, além de musicalmente impecáveis.

A dança da bailarina egípcia é despretensiosa, apesar de ter boa técnica. Elas não são performáticas como as americanas por exemplo. Sua dança é simples, dão muito valor aos movimentos básicos, usam muitas ondulações e têm uma tranqüilidade fora do comum no palco. Em momentos que nós brasileiras estaríamos fazendo um turbilhão de shimmies, elas estão calmamente lendo uma flautinha que está bem escondida no meio da orquestra.

Suas performances são muito agradáveis, pois têm grande empatia com o público. Gostam muito de cantarolar as músicas e interagir com a platéia. Usam muito improviso também, mas com músicas estudadas até a exaustão. Não perdem nenhummm repique, nenhummm break, nenhummm instrumento - que óóódiooo, hehehe.

Randa Kamel - Além de excelente bailarina, uma excelente professora.

Dim lights Embed Embed this video on your site


Libanesas

Roupas mais do que emperiquitadas, muuuuita energia na dança e fogo nos quadris. Essas são as libanesas. Não esperem momentos delicados, regados de sutileza e sensualidade; elas até tentam, mas poucas vezes conseguem. A dança é muitas vezes agressiva.

Foram muito famosas nos anos oitenta e fonte de muitos estudos para as brasileiras. Estudávamos tanto as libanesas que tínhamos até seus defeitos, rs. Mas é uma dança muito contagiante. Elas nasceram dançando Dabke Libanês, batendo os pés e gritando Heia... Não podíamos querer uma dança com menos força.

No Líbano elas são grandes estrelas, e no cúmulo da breguice dos anos oitenta (que! aleluia! já ficaram pra trás) elas chegavam para dançar em seus shows montadas em cavalos, balões, helicópteros ou carregadas por quatro coitados musculosos que era vestidos de gênios da lâmpada. Hoje em dia estão tendo que dividir sua fama com outras bailarinas, O auge da dança libanesa já passou, apesar de no Líbano ainda serem ovacionadas.

Amani. Na minha opinião a melhor das Libanesas.

Dim lights Embed Embed this video on your site

Americanas

Preparem os refletores que as americanas estão chegando. Elas adoram coisas feitas com ingredientes Hollywoodianos. Figurinos caríssimos e super compostos, músicas e coreografias extravagantes. São danças cheias de técnicas e pouca dramaticidade, porém, em minha opinião, são muito empacotadas (americanas, rs).

As apresentações, mesmo tentando ser diferentes, acabam sendo iguais. A mesma postura, expressão e presença cênica. Mas, foram elas que começaram a deixar a dança do ventre mais profissional, e ainda são elas as que mais atraem a atenção do público leigo, pois oferecem shows performáticos e inovadores. Tenho que admitir isso mesmo sem ser grande admiradora do estilo.

Falta sentimento, interpretação, feeling. É uma dança fria, mas devemos a elas a divulgação da dança do ventre pelo mundo; através do cinema americano e dos grandes shows.

Jillina - A responsável pela propagação da Dança americana.

Dim lights Embed Embed this video on your site

Artigo publicado originalmente em http://www.dancadoventre.art.br/

Luana Mello
Bellydancer
Dança do Ventre e Danças Exóticas
www.luanamello.com.br

Leia outros artigos aqui!

Artigos Relacionados:
Comentários
Busca
monika soarez  - Gostei muito   |01-09-09 22:11:52
avatar Olá Luana!
Seu artigo está incrível!
Parabéns pela percepção. Você foi direto ao ponto. Muito bom!
Obrigada por compartilhar suas idéias.
Você é coerente.
Beijos. Tudo de bom!
Momô.
Somente usuários registrados podem comentar!

3.26 Copyright (C) 2008 Compojoom.com / Copyright (C) 2007 Alain Georgette / Copyright (C) 2006 Frantisek Hliva. All rights reserved."

 
Banner
Banner
__________________
Banner
_____________________
Banner
___________________
Banner
Banner
_________________
Banner
______________________
Banner
___________________
Banner
_________________
Banner
____________________
Banner
__________________
Banner
___________________
Banner
__________________
Banner
____________________
Banner
__________________
Banner
_________________
Banner
__________________
Banner
___________________
Banner
___________________
Banner
____________________
Banner
_________________
Banner
__________________
Banner
_________________
Banner
_________________
Banner
___________________
Banner

logorodape

 

2011 - Central Dança do Ventre. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por: Central Dança do Ventre