Esqueci minha senha

A Dança do Ventre e seus desafios

Escrito por Nesrine


 

 

 Olá, pessoal!
Feliz em estar aqui novamente depois do último artigo que publiquei aqui!

 

Dessa vez vamos falar um pouquinho sobre os desafios a que essa nossa grande paixão, a dança do ventre, nos submete. Quando falamos em desafios parece que estamos falando de coisas enormes e impactantes. Isso é verdade!

 

Mas não é só de grandes fatos que são feitos os desafios. Existem os pequeninos também.
Os grandes são fáceis de identificá-los, mas esses pequenos às vezes passam desapercebidos por nós e não damos o devido valor. Então vamos valorizá-los!

 

Cada um inicia seus estudos na dança com um objetivo, e por mais que esse seja o foco principal, acabamos expandindo as possibilidades e nos deparamos com as mais diferentes situações.

 

Desde a primeira aula já temos que enfrentar um grande desafio: o espelho!
Encarar-se frente ao espelho durante toda aula com aquela roupa coladinha, executando movimentos pela primeira vez, pode ser um belo desafio para quem não goste de sua aparência ou não lide bem com erros.
Já parou para pensar nisso?

 

Tão simples... Ainda estamos falando da primeira aula e já com tantos desafios a superar.
E eles continuam e aumentam de tamanho junto com o desenvolvimento da bailarina.
Mas não temos que temê-los. Os desafios não são "de ferro". Com jeitinho e tempo vamos deixando-os para trás. É certo que alguns exigem um pouco mais de tempo. Então, paciência!

 

Há quem até confunda isso com terapia!
"A dança do ventre é uma terapia!"
"A dança do ventre é mística!"

 

Bom, no meu ponto de vista, a diferença está no objetivo final. Nas aulas de dança trabalhamos aspectos que nos formarão bailarinas. O objetivo final é esse: o de que a pessoa dance bem. Para isso é certo que ela terá que superar muitos assuntos pessoais, mas esses não seriam os grandes objetivos do caminho do aprendizado. A terapia tem outros objetivos e é preciso um profissional capacitado para isso.

 

Então falemos de dança!
Recentemente, numa festa para minhas alunas, pude ver o quanto é importante permitir-se passar por desafios.Numa maioria de alunas no nível básico, poderíamos pensar que seria impossível realizarmos um evento legal. Uma bobagem.

 

Contextualizando bem os objetivo da festa, pudemos proporcionar um momento de grande desenvolvimento onde cada uma teve a oportunidade de expor seu trabalho dignamente. Resultado disso: um momento de grande dedicação, emoção, superação, revelação e muitas outras coisas boas.

 

A dança em sua grandiosidade não é apenas o produto final, mas também o caminho. O que quero dizer é que para se dançar não é preciso saber e executar a dança perfeitamente. Aquela dança que vem antes, a que ainda está transformando, já é uma dança também. Não profissional. Mas já é uma dança.

 

Se não, como a vovozinha iria dançar com a pequena netinha numa festa de família?
Não são profissionais, mas estão dançando.
Elas tiraram da frente essa exigência absurda de se cobrarem dançar como profissionais e foram em busca do melhor que poderiam dar naquele momento.

 

Na nossa festinha, pude presenciar cada uma descobrindo e valorizando suas qualidades e dando aquela escondidinha nos defeitos.
Um grande exercício de autoconhecimento!

 

Fico feliz em tê-las incentivado, mas o maior trabalho sem dúvida foi o que cada uma desenvolveu pessoalmente.
Mérito delas!
E vamos aprendendo.
A dança vai muito além da técnica.

 

Os aspectos abstratos, apesar de às vezes serem confundidos com outras coisas, são parte fundamental da dança. Também são técnicos! Existem técnicas para ensiná-los, abordá-los e treiná-los. Mas nada adiantaria se a aluna ou a bailarina ou a professora não se propuser entregar-se a eles. Cada uma no seu tempo, dentro de seus limites, respeitando a si mesma, seguimos em frente.
Apaixonadas e em transformação.

 

Adoraria saber a sua história de valorização, superação ou autoconhecimento!
Conta pra gente!
Um grande abraço!
 
 
Nesrine: http://nesrine.com.br/
Blog Nesrine: http://danceporqueebom.com.br/
Foto: Jay Andreotti: https://www.facebook.com/jay.andreotti?fref=ts

 

 

 

Vídeos: Dupla Renata e Luciana:

 

 

Solo Luiza Biglia

 

Então conta pra gente: como a Dança do Ventre ajuda você a se superar e se valorizar? 

 

 

  • Tópicos:

Veja Mais ver todas +

Nuvem de Tags

egito cairo bailarina homenageadaartigo arte dança do ventre brasilbailarina homenageadabailarina vídeos professora dança homenagem musicaliteratura central danca do ventrerevista